Idiomas: POR | ENG | ESP

Blog

O Congresso Ganepão encara, dentro da sua proposta educacional, a disseminação de conhecimento como ação fundamental para o cumprimento de sua missão. Neste espaço, acompanhe conteúdo relevante baseado em evidência científica da área de Nutrição em todas as suas vertentes.

Acompanhe o GANEPÃO

Newsletter

Mantenha-me Atualizado:


Cozinhar os vegetais reduz o teor de compostos bioativos?

22 de maio de 2019

Tags: ganepaocast vegetais cocção compostos bioativos

Cozinhar os vegetais reduz o teor de compostos bioativos?




Cozinhar os vegetais reduz o teor de compostos bioativos?

 

Estudo investiga efeitos em relação às três diferentes formas de preparo mais utilizadas no Brasil: cozimento por imersão na água, cozimento a vapor e refogado.

 

Saiba mais no GanepãoCast!

 

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2019 #ganepaoeuvou #nutricao #nutricionista

 

Referências

Adaptado de: Nutritotal. Cozinhar os vegetais reduz o teor de compostos bioativos? Disponível em: http://www.nutritotal.com.br/mod/pergres/view.php?id=18553. Acesso em: 11/02/2019.

Agência FAPESP. Vegetais: crus ou cozidos? Disponível em: http://agencia.fapesp.br/vegetais_crus_ou_cozidos/22585/. Acessado em: 26/01/2016.

Muradora DC, Cunha DT, Rosso VV. Effects of cooking techniques on vegetable pigments: A meta-analytic approach to carotenoid and anthocyanin levels. Food Research International. 2014; 65:177–183.

Muradora DC, Mercadante AZ, Rosso VV. Cooking techniques improve the levels of bioactive compounds and antioxidant activity in kale and red cabbage. Food Chemistry. 2016; 196:1101–1107.

 

No Ganepão 2019, teremos uma manhã inteira de aulas relacionadas ao assunto: veja o simpósio: “Vitaminas, Bioativos e Nutracêuticos: Novidades em 2019”, que abordará as aulas:

 

- Vitamina E e Imunidade no Diabetes Tipo 2

- Genisteína no Manuseio do Alzheimer: Resultados Clínicos e Experimentais

- Flavonoides como Imunomoduladores da Microbiota

- Ativos da Laranja Moro na Queima da Gordura Abdominal: Mito ou Verdade?

- Compostos Bioativos na Saúde Cardiovascular: Ponto e Contra-Ponto

- Potencialidades Funcionais e Nutracêuticas das Proteínas do Leite

- Carotenóides: Pigmentos Naturais como Compostos Bioativos

- Substâncias Bioativas do Guaraná e do Café e Seus Benefícios à Saúde

 

Dia 31 de maio tem virada de tabela, aproveite o menor preço, clique e inscreva-se!

 

Inscreva-se já!



Relação cintura-estatura x risco cardiovascular

08 de maio de 2019

Tags: rce relação cintura-estatura risco cardiovascular




Olá! Bem vindo ao Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Estudo mostra que pessoas fisicamente ativas e sem sobrepeso, mas com valores de relação cintura-estatura (RCE) próximos do limiar de risco têm maior probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares comparadas com pessoas com menores valores de RCE.

 

Dr. Dan Waitzberg explica no Ganepão 60 NutriSegundos. Assista o vídeo completo!

 

Referência

Fontes AMGG, de Oliveira LS, Vanderlei FM, et al. Waist-Stature Ratio And Its Relationship With Autonomic Recovery From Aerobic Exercise In Healthy Men. Sci Rep. 2018; 8(1):16093.

 

Inscreva-se no Ganepão 2019!



Jejum intermitente pode ser mais efetivo quando associado à restrição calórica

02 de maio de 2019

Tags: jejum intermitente restrição calórica sobrepeso perda de peso

Jejum intermitente pode ser mais efetivo quando associado à restrição calórica




Em estudo randomizado de oito semanas, coorte de 90 mulheres de meia-idade ou mais velhas com sobrepeso ou obesidade foram aleatoriamente distribuídas para quatro estratégias diferentes:

(1) Jejum intermitente associado à restrição calórica (70% da necessidade energética);

(2) Jejum intermitente sem restrição calórica (100% da necessidade energética);

(3) Restrição contínua a 70% das necessidades energéticas;

(4) Controle, 100% das necessidades energéticas.

Os resultados demonstraram que as mulheres com sobrepeso que fizeram dieta hipocalórica associado a três dias de jejum por semana (grupo 1) perderam mais peso e tiveram melhores marcadores cardiometabólicos do que as que apenas reduziram a ingestão calórica ou fizeram somente jejum ou não fizeram nenhum dos dois.

Os resultados demonstram, ainda, que as outras mulheres do estudo, que fizeram jejum intermitente sem reduzir a ingestão de alimentos; que reduziram a ingestão de alimentos sem fazer jejum, ou que não seguiram nenhuma dieta, não foram tão bem-sucedidas em termos de perda ponderal.

As mulheres do grupo do jejum intermitente com redução calórica tiveram maior redução do peso, da massa de gordura, dos níveis de colesterol total e da lipoproteína de baixa densidade e dos ácidos graxos não esterificados em comparação às mulheres do grupo de redução calórica isolada ou jejum intermitente isolado.

Este estudo agrega evidências de que o jejum intermitente, pelo menos em curto prazo, pode proporcionar melhores resultados para a saúde do que a restrição alimentar contínua e, potencialmente, para a perda ponderal.

No entanto, é importante salientar que este foi um estudo pequeno com baixo poder estatístico. Dessa forma, é necessário admitir que os resultados não possam ser generalizados para uma intervenção prolongada ou para outras populações, e que novos estudos são necessários para endossar estes resultados.

Embora o estudo confirme que o jejum intermitente é mais eficaz do que uma dieta restritiva continuada, o estímulo determinante para limitar o apetite das pessoas, que poderia ser a chave da promoção de uma perda ponderal eficaz, exige uma investigação mais aprofundada.

 

Referências

Hutchison AT, Liu B1, Wood RE, et al. Effects of Intermittent Versus Continuous Energy Intakes on Insulin Sensitivity and Metabolic Risk in Women with Overweight. Obesity (Silver Spring). 2019; 27(1):50-58.

 

Falando em dieta e perda de peso, a temática também está presente no Ganepão 2019! Realizaremos a conferência

“Análise Crítica das Dietas da Moda no Tratamento da Obesidade”.

 

Data: 14 de Junho de 2019 | Horário: 14h às 14h30 | Local: Auditório Amarelo

 

Imperdível! Vem assistir no Ganepão 2019!

Inscreva-se já!



O que é terapia nutricional imunomoduladora?

30 de abril de 2019

Tags: ganepaocast terapia nutricional imunomoduladora imunonutrição ômega-3

O que é terapia nutricional imunomoduladora?




A Terapia nutricional imunomoduladora é muito importante para pacientes desnutridos com câncer e/ou que passarão por cirurgia de grande porte.

 

Quer saber mais? Ouça o que o Dr. Dan Waitzberg, presidente do Ganepão, tem  a dizer sobre o assunto no GanepãoCast!

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2019 #ganepaoeuvou #nutricao #nutricionista

 

Referências

Adaptado de: Nutritotal. O que é terapia nutricional imunomoduladora? Disponível em: http://www.nutritotal.com.br/mod/pergres/view.php?id=29621. Acesso em: 04/02/2019.

MARCOS, Ascensión et al. Inmunonutrición: metodología y aplicaciones. Nutricion Hospitalaria, [s.l.], n. 3, p.145-154, 26 fev. 2015. GRUPO AULA MEDICA. http://dx.doi.org/10.3305/nh.2015.31.sup3.8762.

MARIETTE, C.. Immunonutrition. Journal Of Visceral Surgery, [s.l.], v. 152, p.14-17, ago. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s1878-7886(15)30005-9.

Waitzberg, D. L.; Garla, P.; Garib, R. A. Imunonutrição em Cirurgia. In: Waitzberg, D. L. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. 5.ed. Atheneu, 2017.

 

No Ganepão 2019 abordaremos tema similar, através do debate “Suplementar Ácidos Graxos Ômega- 3 na Prática Clínica: Ajuda ou Tanto Faz?”.

Neste, discutiremos pontos e contrapontos desta suplementação relacionados ao Tratamento do Doente Crítico, Prevenção de Doença Cardiovascular e Prevenção de Câncer.

 

Imperdível! Vem assistir no Ganepão 2019!

Inscreva-se já!



Genética e casamento: qual a relação?

17 de abril de 2019

Tags: genetica casamento oxitocina




Olá! Bem vindo ao Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Você sabia que a genética pode influenciar na qualidade do casamento? Existem evidências que variações em genes específicos relacionados ao funcionamento da ocitocina causam impacto na qualidade conjugal, em parte porque são relevantes para a maneira como os parceiros fornecem e recebem apoio uns dos outros.  

 

Curioso, não é? Assista no Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Referência

Mattson RE, Cameron NM, Frank A, Starr LR, Davila J, Johnson MD. Oxytocin receptor gene (OXTR) links to marital quality via social support behavior and perceived partner responsiveness. Journal of Family Psychology. 2019; 33(1): 44-53.

 

Inscreva-se no Ganepão Online!



Você sabe o que significa BLW?

07 de março de 2019

Tags: ganepaocast blw pediatria

Você sabe o que significa BLW?




Você sabe o que significa BLW? 👶

 

Trata-se de um método de introdução alimentar no qual os bebês iniciam o consumo autônomo de alimento em pedaços, sem alteração na consistência.

 

Saiba tudo no GanepãoCast!

 

Acesse o GanepãoCast!

 

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2019 #ganepaoeuvou #nutrição #nutricionista

 

Referências

Brown A, Jones SW, Rowan H. Baby-Led Weaning: The Evidence to Date. Curr Nutr Rep. 2017; 6(2):148-156.

Arantes ALAE, Neves FS, Campos AAL, Pereira Netto M. THE BABY-LED WEANING METHOD (BLW) IN THE CONTEXT OF COMPLEMENTARY FEEDING: A REVIEW. Rev Paul Pediatr. 2018; 36(3):353-363.

Dogan E, Yilmaz G, Caylan N, et al. Baby-led complementary feeding: Randomized controlled study. Pediatr Int. 2018; 60(12):1073-1080.



Você conhece a dieta flexitariana?

26 de fevereiro de 2019

Tags: ganepaocast dieta flexitariana vegetarianismo carne

Você conhece a dieta flexitariana?




Trazendo em seu conceito uma junção de “flexível” e “vegetariana”, a dieta flexitariana é primariamente, mas não estritamente, vegetariana, com ocasional consumo de carne ou peixe.

 

Recentemente, foi classificada como a terceira melhor dieta do mundo para uma alimentação saudável, ficando atrás apenas da dieta DASH e Mediterânea.

Quer saber mais? Ouça o GanepãoCAST!

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2019 #ganepaoeuvou #nutrição #nutricionista

 

Referências

Derbyshire EJ. Flexitarian Diets and Health: A Review of the Evidence-Based Literature. Front Nutr. 2017; 3:55.

U.S. News & World Report. U.S. News Reveals Best Diets Rankings for 2019. Disponível em: https://www.usnews.com/info/blogs/press-room/articles/2019-01-02/us-news-reveals-best-diets-rankings-for-2019. Acesso em: 23/01/2019.

 

As inscrições para o Ganepão 2019 estão abertas!

Inscreva-se já!



Associação entre transtorno alimentar, obesidade e insegurança alimentar

14 de fevereiro de 2019

Tags: insegurança alimentar transtorno alimentar obesidade aumento de peso




Olá! Bem vindo ao Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Insegurança alimentar é caracterizada pela dificuldade de arcar com as despesas necessárias para ter uma alimentação saudável. Resultados de um estudo demonstraram associação entre insegurança alimentar e desenvolvimento de transtorno de compulsão alimentar e obesidade.  

 

Curioso, não é? Saiba mais no Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Referência

Rasmusson G, Lydecker JA, Coffino JA, et al. Household food insecurity is associated with binge-eating disorder and obesity. Int J Eat Disord. 2018 [Epub ahead of print].

 

Confira este e outros conteúdos: acesse nosso blog: https://www.ganepao.com.br/blog/pt

 

 

As inscrições para o Ganepão 2019 estão abertas!

Inscreva-se já!



Níveis séricos de magnésio influenciam o metabolismo da vitamina D

06 de fevereiro de 2019

Tags: metabolismo vitamina d magnésio

Níveis séricos de magnésio influenciam o metabolismo da vitamina D




Estudo publicado em dezembro no American Journal of Clinical Nutrition revelou que baixos níveis séricos de magnésio estão associados a níveis também baixos de vitamina D.

Sabia-se anteriormente que enzimas que sintetizam e metabolizam a vitamina D são dependentes do magnésio e que mesmo com ingestão de alta dose de vitamina D podia não acontecer o seu aumento sérico.

O estudo confirma observações anteriores , mas revela  algo novo: 

  • O magnésio tem efeito regulador em pessoas com altos níveis de vitamina D, portanto pode otimizar as taxas séricas de  vitamina D e auxiliar na prevenção de condições relacionadas aos déficits  de vitamina D.

De forma duplo-cego, randomizado e controlado o estudo envolveu 250 pessoas consideradas em risco de desenvolver câncer colorretal por fatores de risco ou por ter pólipo pré-cancerígeno removido.

Doses de magnésio e placebo foram personalizadas com base na ingestão dietética de base e foram avaliadas, no plasma, as alterações de diferentes níveis de expressão da vitamina D.

A suplementação de magnésio aumentou a concentração de 25 (OH) D3 quando suas concentrações iniciais estiveram próximas a 30 ng / mL, mas diminuíram quando o nível plasmático dessa vitamina foi maior (de 30 a 50 ng / mL).

O tratamento com magnésio afetou significativamente a concentração de 24,25 (OH) 2D3 quando a concentração de 25 (OH) D no início do estudo foi de 50 ng / mL, mas não de 30 ng / mL.

Segundo os autores "A insuficiência de vitamina D tem sido reconhecida como potencial problema de saúde em grande escala nos EUA".

"Muitas pessoas recebem orientação médica para suplementação de vitamina D com base nos resultados dessa vitamina no sangue. Entretanto, além da vitamina D, a deficiência de magnésio é um problema sub-reconhecido. Até 80% as pessoas não consomem magnésio suficiente em um dia para atender a recomendação dietética recomendada (RDA) com base nessas estimativas nacionais", explicam.

Os pesquisadores salientaram, ainda, que os níveis de magnésio no estudo estavam de acordo com as diretrizes da RDA, e recomendaram mudanças na dieta como o melhor método para aumentar a ingestão desse mineral. Alimentos com altos níveis de magnésio incluem verduras de folhas escuras, feijão, grãos integrais, chocolate amargo, peixes gordurosos, nozes e abacate.

 

Referência

Dai Q, Zhu X, Manson JE, et al. Magnesium status and supplementation influence vitamin D status and metabolism: results from a randomized trial. Am J Clin Nutr. 2018; 108(6):1249-1258.

 

As inscrições para o Ganepão 2019 estão abertas!

Inscreva-se já!



Efeitos do Glutamato monossódico na função cognitiva e na redução de Sódio

21 de janeiro de 2019

Tags: umami glutamato msg sódio função congnitiva




Olá! Bem vindo ao Ganepão 60 NutriSegundos!

 

O Glutamato Monossódico proporciona o quinto gosto básico, diferente dos gostos doce, salgado, azedo e amargo: estamos falando do umami.

 

Substâncias com gosto umami são utilizadas como estratégia para reduzir o sódio em diferentes alimentos processados e caseiros, pois o MSG não afeta a percepção de salinidade e, portanto, contribui para o bem-estar e segurança da população.

 

Assista e saiba mais no Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Referência

Maluly HDB, Arisseto-Bragotto AP, Reyes FGR. Monosodium glutamate as a tool to reduce sodium in foodstuffs: Technological and safety aspects. Food Sci Nutr. 2017 Jul 13;5(6):1039-1048.

Kouzuki M, Taniguchi M, Suzuki T, Nagano M, Nakamura S, Katsumata Y, Matsumoto H, Urakami K. Effect of monosodium L-glutamate (umami substance) on cognitive in people with dementia. Eur J Clin Nutr. 2018 [Epub ahead of print].

 

Confira este e outros conteúdos: acesse nosso blog: https://www.ganepao.com.br/blog/pt

 

 

As inscrições para o Ganepão 2019 estão abertas!

Inscreva-se já!



Arquivos

Tema

Tags