Idiomas: POR | ENG | ESP

Blog

O Congresso Ganepão encara, dentro da sua proposta educacional, a disseminação de conhecimento como ação fundamental para o cumprimento de sua missão. Neste espaço, acompanhe conteúdo relevante baseado em evidência científica da área de Nutrição em todas as suas vertentes.

Acompanhe o GANEPÃO

Newsletter

Mantenha-me Atualizado:


Dieta Vegetariana está Associada à Depressão

13 de novembro de 2017

Tags: dieta vegetariana depressao

Dieta Vegetariana está Associada à Depressão




As dietas vegetarianas tem sido associadas a benefícios cardiovasculares entre outras vantagens, mas pouco se sabe sobre benefícios ou riscos para saúde mental.

 

Estudo conduzido pelo Instituto Nacional de Saúde (NIH) em mais de 9600 homens,  objetivou determinar a relação entre hábitos alimentares vegetarianos e sintomas depressivos em homens.

 

O hábito alimentar foi avaliado por questionário de frequência dietética e o estado mental por Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo. Os resultados foram avaliados levando em consideração variáveis ​​de confusão, como: idade, estado civil, status de emprego, posse de habitação, número de crianças no lar, religião, história familiar de depressão, contato psiquiátrico infantil anterior, cigarro e consumo de álcool.

 

Os vegetarianos [n = 350 (3,6% da amostra)] apresentaram maior pontuação na escala de depressão, em média, em comparação aos não vegetarianos, após ajustes para potenciais fatores de confusão.

 

Os homens vegetarianos têm sintomas mais depressivos, após ajuste por fatores sócios demográficos. As deficiências nutricionais (por exemplo, em cobalamina ou ferro) são uma possível explicação para esses achados, porém a causalidade reversa não pode ser descartada, destacam os pesquisadores.

 

O autor principal Capt Joseph R. Hibbeln, MD, chefe interino da Seção sobre Neurociências Nutricionais no Instituto Nacional sobre Abuso de Álcool e Alcoolismo do NIH, acrescentou que, como a carne vermelha é rica em vitamina B12, esse nutriente pode ter desempenhado um papel importante os resultados.

 

Referência:

Joseph R. Hibbeln, Kate Northstone, Jonathan Evans, Jean Golding. Vegetarian diets and depressive symptoms among men. January 1, 2018 V  225, Pages 13–17



InfoGanepão - ASG-PPP no Cenário da Oncologia Brasileira e muito mais!

30 de outubro de 2017

Tags: praticas nutricionais avaliacao nutricional asg-ppp obesidade






GanepãoCAST – O que é Matchá?

24 de outubro de 2017

Tags: matcha cha verde colesterol ldl flavonoides doenças cardiovasculares glicose

GanepãoCAST – O que é Matchá?




Você sabe o que é o Matchá?

 

Sua ingestão regular é capaz de auxiliar na redução das concentrações sanguíneas do colesterol total e do LDL-colesterol.

 

Escute no GanepãoCAST!

 

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2018



Ganepão 60 NutriSegundos - Vitamina D pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de esclerose múltipla

17 de outubro de 2017

Tags: vitamina d esclerose multipla




Estudo conclui que a deficiência de Vitamina D pode ser um fator de risco para o desenvolvimento de esclerose múltipla.

 

Saiba tudo assistindo ao Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Referência

Munger KL, Hongell K, Åivo J, Soilu-Hänninen M, Surcel HM, Ascherio A. 25-Hydroxyvitamin D deficiency and risk of MS among women in the Finnish Maternity Cohort. Neurology. 2017 [Epub ahead of print]

 

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2018

 

 



InfoGanepão - Enfermagem, Ergogênicos, Obeso em Câncer e Marketing em Saúde

10 de outubro de 2017

Tags: enfermagem ergogenicos obeso cancer marketing comunicacao






Associação entre ciclo circadiano e aumento da gordura corporal

05 de outubro de 2017

Tags: ciclo cardiano gordura corporal relógio biológico melatonina

Associação entre ciclo circadiano e aumento da gordura corporal




Em indivíduos em idade universitária, o momento da alimentação, quando relacionado aos níveis de melatonina, (marcador da noite biológica),  está associado a maior porcentagem de gordura corporal e índice de massa corporal (IMC), e não com a hora do dia, quantidade ou composição da ingestão alimentar.

 

Pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital (BWH), estudaram as relações entre gordura corporal e IMC, e os horários de consumo alimentar, considerando a hora do dia e ao relógio biológico. Para isso, analisaram dados de 110 participantes (64 homens e 46 mulheres), com idade entre 18 e 22 anos. Em estudo observacional de 30 dias, documentaram o tempo de sono e a ingestão diária de refeições. Um aplicativo de celular foi utilizado para registrar a ingestão de alimentos dos participantes durante sete dias consecutivos de suas rotinas regulares. Durante uma noite, os participantes foram dormiram no Centro de Investigação Clínica do BWH para avaliar o momento de aparecimento dos níveis plasmáticos de melatonina, início do sono e medida de sua composição corporal.

 

Pessoas com alta porcentagems de gordura corporal consumiram a maioria de suas calorias logo no início do aumento dos níveis de melatonina, em comparação com indivíduos com menor porcentagem de gordura corporal (p = 0,009). Em contraste, não se observou diferenças entre as diferentes quantidades de gordura corporal e o horário do consumo de alimentos (p = 0,72).

 

A análise de regressão múltipla reforçou que o momento da alimentação em relação ao aparecimento plasmático de melatonina foi significativamente associado com a porcentagem de gordura corporal e IMC (ambos p < 0,05). No entanto, não houve relações entre horário da ingestão de alimentos, quantidade calórica, composição de macro nutrientes da refeição, nível de atividade física e duração do sono com a composição corporal (todos p > 0,72).

 

Os pesquisadores concluíram que consumir alimentos durante a noite biológica tem importância na composição corporal, independentemente de fatores de risco mais tradicionais, como quantidade ou conteúdo de ingestão alimentar e nível de atividade física. No entanto, reconheceram limitações a ser consideradas, incluindo o fato de que a população de indivíduos com idade universitária pode não ser representativa de toda a população em termos de escolha de alimentos e ritmo de relógio biológico.

 

Referência

McHill AW, Phillips AJ, Czeisler CA, Keating L, Yee K, Barger LK, et al. Later circadian timing of food intake is associated with increased body fat. Am J Clin Nutr. 2017 [Epub ahead of print]



GanepãoCAST – Manipulação de DNA com CRISPR CAS9

02 de outubro de 2017

Tags: ganepaocast crispr cas9 dna genoma

GanepãoCAST – Manipulação de DNA com CRISPR CAS9




O que é CRISPR CAS9? 

 

Ouça o GanepãoCAST desse mês e conheça!

 

#compartilheconhecimento #compartilheciencia #ganepao2018



Ganepão 60 NutriSegundos - níveis excessivos de folato e vitamina B12 plasmáticos durante a gravidez podem aumentar risco de autismo nos filhos

29 de setembro de 2017

Tags: folato vitamina b12 gravidez autismo




Estudo demonstra que níveis excessivos de folato e vitamina B12 plasmáticos durante a gravidez podem aumentar risco de autismo nos filhos.

 

Saiba mais assistindo no Ganepão 60 NutriSegundos!

 

Por: Giliane Belarmino e Dan L Waitzberg

 

Referência:

Ramkripa Raghavan, M. Daniele Fallin and Xiaobin Wang. Maternal plasma folate, vitamin B12 levels and multivitamin supplementation during pregnancy and risk of Autism Spectrum Disorder in the Boston Birth Cohort. The FASEB Journal. 2016; 30(1): Supplement 151.6.

 



Novas Diretrizes para o Gerenciamento de Hipertensão no Diabetes

27 de setembro de 2017

Tags: diretrizes hipertensao diabetes

Novas Diretrizes para o Gerenciamento de Hipertensão no Diabetes




A American Diabetes Association (ADA) atualizou suas diretrizes que orientam  profissionais de saúde sobre gerenciamento de hipertensão e diabetes. Publicada na edição de setembro da revista Diabetes Care, é a primeira orientação atualizada da ADA sobre o tratamento da hipertensão desde 2003.

 

As novas recomendações apresentam planos de estilo de vida para reduzir a pressão arterial (PA), que incluem sugestões para perda de peso, plano de dieta (DASH) e aumento da atividade física. Além disso, ressaltam que a meta de pressão arterial nos pacientes adultos com diabetes deve ser <140 / 90 mm Hg, pois reduz os eventos adversos cardiovasculares e algumas complicações microvasculares.

 

Em pacientes com alto risco de doença cardiovascular, recomenda-se um alvo menor de 130 / 80 ou 120 / 80 mm Hg. No entanto, esses objetivos devem ser alcançados de maneira menos invasiva possível, através de modificações no estilo de vida. De acordo com os autores, é necessário que o paciente entenda a importância da redução no consumo de sal, de dormir adequadamente e de praticar atividade física. “Demandará mais tempo e um nutricionista, mas deve ser o foco do tratamento”, afirmam os autores.

 

Além disso, o relatório recomenda fortemente que, em pacientes com diabetes, a pressão arterial deva ser medida em todas as consultas clínicas de rotina. Aqueles que apresentarem pressão arterial elevada (> 140/90 mm Hg) devem ter avaliações múltiplas, em dias diferentes, para diagnosticar hipertensão. Deve-se ainda incentivar o monitoramento da PA domiciliar por todos os pacientes hipertensos com diabetes, de modo a identificar a síndrome do revestimento branco.

 

Além da terapia de estilo de vida, o tratamento para pacientes com pressão arterial confirmada entre 140 / 90 mm Hg e 159 / 99 mm Hg pode ser iniciado com um único fármaco. Os pacientes que estiverem pelo menos 20 / 10 mmHg acima do objetivo da PA devem receber combinações de medicamentos, que incluem bloqueadores do sistema de renina-angiotensina, bloqueadores dos canais de cálcio ou diuréticos. As combinações de inibidores da enzima de conversão da angiotensina (ECA) e bloqueadores dos receptores da angiotensina (ARBs) não são recomendadas como terapia multidrogas para atingir os alvos de pressão arterial.

 

Os autores também enfatizam que pacientes grávidas com hipertensão pré-existente ou hipertensão gestacional leve (BP <160/105 mm Hg) e nenhuma evidência de dano no órgão final não devem ser tratadas com medicamentos anti-hipertensivos, uma vez que não há nenhum benefício que supere claramente os riscos potenciais.

 

Por fim, a diretriz recomenda que o tratamento individualizado deva se basear nas comorbidades presentes em cada paciente, e deve ser parte de um processo compartilhado de tomada de decisão entre o clínico e o paciente.

 

Referência

 

de Boer IH, Bangalore S, Benetos A, Davis AM, Michos ED, Muntner P, et al. Diabetes and Hypertension: A Position Statement by the American Diabetes Association. Diabetes Care. 2017; 40(9):1273-1284.



InfoGanepão - Conheça os temas em destaque do Ganepão 2018!

14 de setembro de 2017

Tags: temas em destaque ganepao 2018






Arquivos

Tema

Tags